terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Ainda podemos sonhar


Jesus entra na história em um período de caos. Os sistemas haviam falhado. A religião que se auto intitulava detentora da voz de Deus estava sufocada pela hipocrisia ensimesmada. Os ideais messiânicos dos judeus eram frágeis, aguardavam um libertador de forças opressoras com armas humanas.

Os gregos buscavam alguém que lhes garantissem a verdade absoluta, alguém que como os seus filósofos lhes desse alguns vislumbres de iluminação. Muitas palavras haviam escritas, mas afinal, o que era verdade dentro do jogo de idéias lançadas sobre todos?

Os romanos, conquistadores e dominadores daquele tempo buscavam um governo tão excelente que tinham a expectativa do homem perfeito para os governar e ditar os rumos das suas glórias sem jamais perder o poder.

Jesus entra na história em um tempo onde os pobres, marginalizados, leprosos, prostitutas, pecadores, são vistos como escória, pessoas que devem ser eliminadas. Não são bem vindos nos banquetes, são privados das festas religiosas e os que ainda podiam se aproximar, eram explorados sem piedade.

Todos suspiravam por esperança, uma esperança libertadora, engajada de valores mais nobres, uma esperança que pudesse tirar a ilusão esquematizada pela religião. Alguém em quem pudessem confiar, sem meias verdades, não mais pensamentos de sábios, mas a Verdade.

A necessidade era de alguém que lhes assegurasse um futuro de um reino onde não tivesse fim, onde os homens pudessem viver em paz, sobre o governo absoluto de um Senhor não déspota, mas um Senhor que governasse pela lei mais poderosa do universo, a lei do amor.

Jesus entra na história e dentro de uma sinagoga em Nazaré ele lê o que está escrito no profeta Isaías, que diz:

“O Espírito do Senhor está sobre mim, porque ele me ungiu para pregar boas novas aos pobres. Ele me enviou para proclamar liberdade aos presos e recuperação da vista aos cegos, para libertar os oprimidos e proclamar o ano da graça do Senhor” (Lc 4.18-19).

A esperança volta, os pobres, os marginalizados, as prostitutas, os leprosos, os pecadores podem cantar, se alegrar, os povos todos reunidos em uma só voz, podem regozijar, Jesus entrou na história e oferece o que há de mais triunfante para a vida humana. Chegou-se a boa notícia de Deus para todos nós, os presos podem celebrar, pois lhes é proposto a liberdade para amar, sonhar, viver sem amarras, os cegos poderão ver o que há de mais precioso, o Reino de Deus entre os homens, os oprimidos, não precisam viver mais debaixo de sistemas opressores que os dissimulam, é chegado o ano da graça, todos recebem o favor que não merecem, Jesus está na nossa história!

Feliz 2010, Jesus está ai todos os dias oferecendo tudo isso a todos os que desejam a tão grande salvação. Celebre com alegria mais um ano! Ainda podemos sonhar.

Paz seja convosco!

André Santos

4 comentários:

Fabio Faith disse...

Ainda podemos sonhar
que postagem abençoadora!

André Santos disse...

Olá Fabio, obrigado pela visita em meu blog. Que possamos entrar 2010 com essa expectativa.
Abraços

Observatório Teológico disse...

E continuemos na trajetória inflamada pelo Espírito de Deus para devidamente anunciarmos o Evangelho libertador e abençoador de Nosso Senhor Jesus Cristo. Não o evangelho mercantilista, monetário, interesseiro, mas o verdadeiro Evangelho conforme preconiza o NT. Deus abençoe sua vida e ministério querido irmão, se quiser, venha conhecer nossos blogs, seus comentários serão enriquecedores, Observatório Teológico - www.observateologia.blogspot.com e também Blog do Discípulo - www.creioeunabiblia.blogspot.com

Fique na Paz!

Cicero Ramos

josé Elias disse...

É VERO MEU PREZADÍSSIMO PR ANDRÉ, AINDA HÁ ESPERANÇA E PODEMOS SONHAR OS SONHOS DE DEUS.
QUE DEUS CONTINUE ABENÇOANDO A SUA LINDA VIDA.
PR ELIAS CROCE.